Fala connosco — [email protected]
Calçada do Tijolo 23, 1200-464 Lisboa

Jornalismo independente, progressista e dissidente

Angola

Manuel Dias dos Santos: “João Lourenço representa a continuidade do regime”

21 Dezembro 2018
12:22

O primeiro ano de governo de João Lourenço tem-lhe trazido elogios de vários setores da sociedade, incluindo dos mais críticos ativistas do anterior executivo, liderado por José Eduardo dos Santos, ex-presidente durante quase 38 anos. Em novembro de 2017, ainda nem dois meses tinham passado desde a tomada de posse do novo presidente angolano, Luaty Beirão, ativista preso em 2015, durante mais de um ano, acusado dos crimes de “associação de malfeitores” e “atos preparatórios de rebelião”, num processo conhecido como 17+2, dizia à agência Lusa: “Se o João Lourenço morresse hoje e tivéssemos que avaliar só estes cerca de 50 dias em que ele está na governação, eu diria que ele já fez uma revolução. O que este senhor está a fazer está a deixar-nos aturdidos e positivamente expectantes”.

Rafael Marques, jornalista angolano, fundador da plataforma Maka Angola, que se dedica a investigar casos de corrupção no país, disse à Euronews, a 6 de dezembro, depois de João Lourenço o ter recebido (apenas num segundo encontro, foi barrado numa primeira tentativa) e a vários ativistas e organizações não governamentais na Casa Civil: “(…) neste momento, quer a minha agenda, quer a agenda do Presidente estão alinhadas na luta contra a corrupção”.

Mas, na mesma altura que tudo isto acontece, a repressão em Angola continua. Só este dezembro foram impedidas duas manifestações e detidos arbitrariamente pelo menos 12 ativistas em Cabinda, uma província Angolana e território disputado por um movimento independentista há décadas. As zungueiras, vendedoras ambulantes de rua, têm sido reprimidas e impedidas de vender depois de, no passado 6 de novembro, o governo angolano ter instituído a chamada “Operação Resgate”. E elas são parte fundamental da economia angolana, como nos disse, em abril, Luzia Moniz, presidenta da Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana.

Estaremos perante um novo regime ou, apenas, a continuação da governação de José Eduardo dos Santos, ex-presidente durante quase quatro décadas? Conversámos com Manuel Dias dos Santos, sociólogo, historiador, membro fundador e porta-voz da Plataforma de Reflexão Angola.

 

Acreditamos que o papel do jornalismo é escrutinar a democracia: questionar as decisões tomadas, responsabilizar os representantes. Falar dos temas de que poucos falam, ouvir quem tem menos voz, contas as histórias que não são contadas. Se acreditas no mesmo e queres continuar a ouvir as nossas entrevistas, reportagens e séries documentais podes contribuir aqui.

Edição
  1. Pedro Miguel Santos
Entrevista
  1. Ricardo Esteves Ribeiro
Fotografia
  1. Bernardo Afonso
Preparação
  1. Ricardo Esteves Ribeiro
Som
  1. Bernardo Afonso
Texto
  1. Ricardo Esteves Ribeiro
Vídeo
  1. Bernardo Afonso
/

pergunta, sugere, denuncia, contribui

Jornalismo com tempo e profundidade faz-se com a tua participação e apoio.

Contribuir

subscreve a nossa newsletter

para poderes votar nos tópicos que vamos investigar, workshops que queremos fazer e teres uma voz activa.

Este é o único anúncio que vais ver neste website. Apoia o jornalismo independente.