Fala connosco — [email protected]
Calçada do Tijolo 23, 1200-464 Lisboa

Jornalismo independente, progressista e dissidente

Saúde Mental

António Coimbra de Matos: “É impressionante a quantidade de pessoas que não dorme sem tomar uma droguinha à noite”

13 Agosto 2020
06:05

“Ainda se acredita muito que as doenças mentais vêm de dentro do indivíduo, que são pulsões, fantasias. Não se dá muitas vezes o peso suficiente à sociedade. Há doenças mentais porque há pais e sociedades doentes.” 

António Coimbra de Matos diz isto a Miguel Mealha Estrada, psicanalista pediátrico com quem conversa no livro A Vida é um Sopro (Oficina do Livro, 2018). É uma generalização que o médico, figura incontornável da pedopsiquiatria e da psicanálise em Portugal, passa uma parte desta entrevista a explicar: uma criança doente pode ser uma sintoma de uma família perturbada. Então, como tratamos a família?

Coimbra de Matos, 91 anos, dedicou grande parte da sua vida a tentar entender a depressão. Desinteressou-se pela psiquiatria nos primeiros anos de carreira, no início dos anos 60. A prática era pouco eficaz: havia poucos medicamentos, acabavam de aparecer os antidepressivos, usavam-se eletrochoques e choques insulínicos (provocados pela injeção de insulina). Iniciou o internato em neurologia, que não terminou, e encontrou-se, por mero acaso, na psicanálise. 

Trabalhou com adultos no Hospital Júlio de Matos, atual Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa. Em 1967, foi para o Centro de Saúde Mental Infantil e Juvenil da cidade, onde trabalhou com João dos Santos, pioneiro da pedopsiquiatria em Portugal, e ficou diretor durante 20 anos. O centro encerrou em 1992 para dar origem ao Departamento de Pedopsiquiatria do Hospital D. Estefânia, onde Coimbra de Matos deu consultas até à reforma. Hoje trabalha apenas no seu consultório privado, em Lisboa.

Iniciou carreira como professor em 1982 na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa, e em 1990 tornou-se docente no Instituto Superior de Psicologia Aplicada. Foi presidente do Colégio da Especialidade em Psiquiatria da Infância e Adolescência da Ordem dos Médicos. E, agora, vê-se como professor-investigador: “Não baseado nas doutrinas do Freud ou de outro qualquer, é na observação dos meus pacientes que retiro informação e construo as minhas teorias”, costuma dizer.

Hoje resume os mais de 60 anos de prática clínica a um conjunto de histórias que gosta de contar. Nesta entrevista, gravada numa manhã de julho no seu consultório em Lisboa, conta umas quantas, enquanto falamos de depressão, doenças mentais e as relações com a família e o trabalho.

Esta entrevista foi feita a propósito de uma grande reportagem sobre saúde mental e prevenção do suicídio na qual estamos a trabalhar, financiada com uma bolsa de dois mil euros atribuída pela ARIS da Planície – Associação para a Promoção da Saúde Mental. O contrato pode ser consultado aqui.

Edição de texto
  1. Nuno Viegas
Entrevista
  1. Margarida David Cardoso
Fotografia
  1. Joana Batista
Som
  1. Bernardo Afonso
Texto
  1. Margarida David Cardoso
/ / /

pergunta, sugere, denuncia, contribui

Jornalismo com tempo e profundidade faz-se com a tua participação e apoio.

Contribuir

subscreve a nossa newsletter

para poderes votar nos tópicos que vamos investigar, workshops que queremos fazer e teres uma voz activa.

Aqui, quem influencia o jornalismo és tu. Apoia-nos.