Fala connosco — [email protected]
Calçada do Tijolo 23, 1200-464 Lisboa

Jornalismo independente, progressista e dissidente

Segurança Privada: Exército de Precários (Extra)

Rui Pereira: “A segurança passou a ser uma responsabilidade partilhada, não uma missão exclusiva do Estado”

18 Março 2021
15:48

Esta entrevista foi disponibilizada à Comunidade Fumaça em conjunto com o terceiro episódio de “Exército de Precários”, um audiodocumentário, em oito partes, sobre a segurança privada em Portugal.

Desde o virar do século que Rui Pereira influencia a política penal, policial e securitária portuguesa. Foi diretor-geral do Serviço de Informações de Segurança, membro do Conselho Superior do Ministério Público, fundador do Observatório da Segurança, da Criminalidade Organizada e do Terrorismo e ministro da Administração Interna, nos dois governos de José Sócrates.

Durante o seu primeiro mandato, a regulação da segurança privada passou da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna para a Polícia de Segurança Pública, com a criação do Departamento de Segurança Privada para o efeito. Hoje, Rui Pereira é professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa e colunista e comentador no Correio da Manhã/CMTV.

Na curta entrevista que concedeu ao Fumaça, à distância, em maio de 2020, aceitou analisar a crescente importância da segurança privada, como académico. Resistiu, no entanto, a assumir quaisquer responsabilidade política, acabando por abandonar a entrevista.

Com o apoio:

A série “Exército de Precários” foi realizada com o apoio de bolsas de investigação jornalística atribuídas pela Fundação Calouste Gulbenkian (2018) e Fundação Rosa Luxemburgo (2020). Os contratos podem ser consultados em www.fumaca.pt/sobre.

Edição
  1. Pedro Miguel Santos
Entrevista
  1. Nuno Viegas
  2. Ricardo Esteves Ribeiro
  3. Pedro Miguel Santos
Texto
  1. Nuno Viegas
Edição de som
  1. Bernardo Afonso
Preparação
  1. Nuno Viegas
  2. Ricardo Esteves Ribeiro
  3. Pedro Miguel Santos

pergunta, sugere, denuncia, contribui

Jornalismo com tempo e profundidade faz-se com a tua participação e apoio.

Contribuir

subscreve a nossa newsletter

para poderes votar nos tópicos que vamos investigar, workshops que queremos fazer e teres uma voz activa.

O nosso jornalismo é aberto a toda a gente, mas custa dinheiro. Ajuda-nos a continuar.