Menu
Jornalismo independente
progressista e dissidente

28 Agosto, 2018

Bernardo Afonso
Frederico Raposo
Pedro Miguel Santos
Ricardo Ribeiro
Tomás Pereira

É Apenas Fumaça>entrevista

Cultura e apoio às artes

Nuno Lopes: “A arte é contra-poder”

Em 2011, o governo pelo PSD e CDS, liderado por Pedro Passos Coelho, apresentava uma composição de governo sem ministério da Cultura, algo que não acontecia desde os mandatos de Cavaco Silva como primeiro-ministro português, de 1985 a 1995. A cultura era novamente relegada para secretaria de Estado. A classe dizia-se contra, claro. Mas, em tempos de crise, havia pastas que importavam mais, mostrava a hierarquia ministerial: Finanças, Negócios Estrangeiros, Defesa Nacional.

Anos depois, em 2015, o panorama parecia mudar. Um governo minoritário, apoiado por BE e PCP, e liderado pelo PS, reestabeleceria o ministério. Num capítulo dedicado à Cultura no seu programa de governo, lia-se que um dos objetivos seria “reforçar e ampliar os apoios à distribuição, exibição e promoção culturais em todo o país”. Ainda antes, em campanha eleitoral, antes de chegar a primeiro-ministro, António Costa dizia, numa concentração com apoiantes e artistas reconhecidos da praça: “Mais do que um ministério de Cultura, nós precisamos de um Governo de Cultura, porque a cultura tem de estar presente, transversalmente, em todas as dimensões da vida e em todas as dimensões da atividade do governo”. O otimismo prometia.

Passaram-se três anos. O investimento estatal em Cultura, que já era baixo, assim continuou. Segundo dados do Eurostat, Portugal anda na cauda da Europa. Em 2016, o país estava abaixo da média de 1% do PIB gasto em “cultura, recreação e religião” (não apenas cultura), com 0,8%. Países como a Hungria ou a Islândia, por exemplo, gastam mais de 3% do PIB.

Os últimos meses foram de luta para atores, realizadores, técnicos, escritores, pintores e tantos outros. Uma luta longa que vem de há muito: há quem peça 1% do PIB, há quem se contente com 1% do Orçamento de Estado investido em Cultura. “Fazemos teatro em condições cada vez mais precárias: sem contrato de trabalho, a recibo verde, sem previsão, muitos de nós com vencimentos em atraso. Mesmo quando nos apresentamos em teatros de grande reputação. A situação de subcontratação em que quase todos nós nos encontramos é insustentável”. Inês Pereira, atriz, lia na entrega dos Prémio Autores 2018, da Sociedade Portuguesa de Autores, realizada em março passado, um comunicado assinado por centenas de profissionais do meio, que pedia mais investimento, mais dignidade.

Também Nuno Lopes, ator, vencedor de cinco Globos de Ouro [e não quatro, como erradamente dissemos na entrevista ao vivo] para melhor ator em cinema e do prémio Orizzonti para Melhor Ator, no Festival de Cinema de Veneza, com o filme “São Jorge”, usou o palco da gala de entrega dos Prémios Sophia para se dizer contra o estado das coisas. No discurso de aceitação do prémio de melhor ator principal, em Março deste ano, com o filme “São Jorge”, disse: “na cultura, infelizmente, os anos da crise ainda não passaram. Continuamos a ser desrespeitados, constantemente, nos atrasos dos concursos e na forma pouco clara como os subsídios são atribuídos. Continuamos a lutar desesperadamente para que a cultura mereça 1% do orçamento, 1%! 1% é o que pedimos”.

No passado dia 15, fomos ao Festival Vodafone Paredes de Coura onde entrevistámos o ator que participou em “Alice” e “São Jorge”, ambos realizados por Marco Martins; “Sangue do meu sangue”, de João Canijo; “Goodnight Irene” por Paolo Marinou-Blanco; “Posto Avançado do Progresso”, do cineasta Hugo Vieira da Silva ou “Joaquim”, realizado por Marcelo Gomes, entre outros filmes, séries e peças de teatro. Conversámos sobre a exigência de 1% do PIB para a Cultura, da “pouco clara” atribuição de subsídios no Cinema, da precariedade na arte em Portugal e sobre a pobreza, a discriminação e o racismo para com os residentes de bairros como “Jamaika” (cujo nome oficial é núcleo de Vale de Chícharos), no Seixal, ou da Bela Vista, em Setúbal, onde foi filmado uma grande parte de “São Jorge”.

 

Texto: Ricardo Ribeiro
Entrevista: Ricardo Ribeiro e Tomás Pereira
Preparação: Bernardo Afonso, Pedro Santos, Ricardo Ribeiro Tomás Pereira
Vídeo: Bernardo Afonso e Frederico Raposo
Som: Bernardo Afonso

 

Acreditamos que o papel do jornalismo é escrutinar a democracia: questionar as decisões tomadas, responsabilizar os representantes. Falar dos temas de que poucos falam, ouvir quem tem menos voz, contas as histórias que não são contadas. Se acreditas no mesmo e queres continuar a ouvir as nossas entrevistas, reportagens e séries documentais, podes contribuir aqui.