Jornalismo independente
progressista e dissidente

entrevista > é apenas fumaça

Refugiados

Miguel Duarte: “Esta investigação é absolutamente política. O objetivo não é prender-nos, é parar o resgate marítimo”


A 2 de setembro de 2015, foi publicada a fotografia onde aparece Alan Kurdi. O miúdo curdo, nascido no norte da Síria, tinha três anos quando morreu afogado numa praia perto da turística cidade de Bodrum, na Turquia. A fotografia mostra-o deitado de barriga para baixo e braços estendidos, sem vida. As ondas do mar tocam-lhe na cabeça enquanto o resto do seu corpo está encharcado.

Milhões de pessoas viram a fotografia que chocou o mundo ocidental. Nessa altura, milhares de refugiados arriscavam, todos os dias, atravessar o Mar Mediterrâneo em barcos de borracha madeira ou de borracha má qualidade, numa viagem que pode durar dias. Para Alan Kurdi, a sua mãe, e o seu irmão, de 5 anos, não durou nem um.

Fugiam da morte na Síria onde, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), neste momento, existem mais de 6,6 milhões de refugiados internos. 5,6 milhões de pessoas tiveram de abandonar o país. No total, 13,5 milhões de pessoas sírias precisam de ajuda humanitária, das quais 6 milhões são crianças.

As imagens como a de Alan Kurdi e os vídeos de barcos sobrecarregados com refugiados desesperados deixaram de aparecer nos media e nas redes sociais, mas continuam a existir. Segundo a ONU, em 2015, no pico da catástrofe, mais de 1 milhão de pessoas lançou-se ao mar para chegar à Europa; em 2016, foram cerca de 360 mil; em 2017, 172 mil; em 2018, até agora, foram já 110 mil a chegar e mais de 2 mil aqueles que a organização estima terem-se perdido na viagem, para nunca mais voltar.

Miguel Duarte juntou-se à Jugend Rettet, uma rede de ativistas com o objetivo de resgatar pessoas refugiadas no Mar Mediterrâneo, no verão de 2016, para fazer parte da solução da “ grande crise da [sua] geração”. Em outubro desse ano, embarcou no Iuventa, o navio da organização, para a sua primeira missão: “ao fim de duas semanas, participámos no resgate de 423 pessoas”, conta. No total, a Jugend Rettet participou no resgate de mais de 14 mil pessoas.

Mas, a 2 de agosto de 2017, tudo mudou. O Ministério Público italiano arrestou o Iuventa e acusou a Jugend Rettet de ajuda à imigração ilegal, apreendendo o barco até hoje. Um ano mais tarde, em junho de 2018, 10 dos tripulantes, incluindo Miguel Duarte, foram acusados do mesmo. Hoje, estão a ser investigados por um crime que os pode levar a 15 anos de prisão.

A Jugend Rettet não foi a única organização não-governamental de assistência a refugiados que viu as suas operações travadas por ordem judicial: a Médicos Sem Fronteiras decidiu, no passado dia 6, abandonar as suas missões de busca e salvamento, depois do seu navio, Aquarius, que resgatou já mais de 30 mil pessoas, ter sido impedido de sair para o mar durante mais de dois meses, acusado de produção de lixo tóxico; a Sea-Watch, foi travada pelo governo maltês; entre outros casos.

Para Miguel Duarte, agora fundador da HuBB – Humans Before Borders, uma plataforma que luta pelos direitos de migrantes e pessoas refugiadas, trata-se de uma estratégia concertada por parte da europa: “esta investigação é absolutamente política. O objetivo não é prender-nos, é parar o resgate marítimo”.

A menos de seis meses das eleições Europeias, falamos também sobre como a União Europeia tem lidado com a crise de refugiados.

 

Acreditamos que o papel do jornalismo é escrutinar a democracia: questionar as decisões tomadas, responsabilizar os representantes. Falar dos temas de que poucos falam, ouvir quem tem menos voz, contas as histórias que não são contadas. Se acreditas no mesmo e queres continuar a ouvir as nossas entrevistas, reportagens e séries documentais podes contribuir aqui.

/ /

pergunta, sugere, denuncia, contribui

Jornalismo com tempo e profundidade faz-se com a tua participação e apoio.

Contribuir
Este é o único anúncio que vais ver neste website. Apoia o jornalismo independente.