Menu
Jornalismo independente
progressista e dissidente

25 Novembro, 2018





especial

PREC

Peter Robinson: “Escrevi para casa, a 25 de novembro de 75, dizendo: ‘isto é o final da revolução’”

Peter Robinson nasceu em 1946, na África do Sul. Dois anos mais tarde, começaria o apartheid, que impunha no país o racismo e a segregação como lei, até aos anos 90. Aos 12, mudou-se para o Reino Unido. Os seus pais, militantes comunistas clandestinos, fugiram do regime contra o qual lutaram, depois de algum tempo presos . Peter cresceu em Inglaterra e juntou-se à International Socialist Organization (ISO) – não confundir com a Internacional Socialista, que junta partidos sociais-democratas e trabalhistas – uma organização política trotskista, fundada a partir dos anos 50. Não era comunista, como os pais, porque sabia o que se passava na Rússia, conta.

O fascínio pelo estudo da promessa de socialismo africano levou-o a estudar o colonialismo português. Durante o Verão Quente de 1975, em que as tensões políticas se intensificaram e o número de atentados bombistas perpetrados pela rede terrorista de extrema direita aumentou, visitou Lisboa. O que aconteceu em Portugal, durante o Período Revolucionário em Curso (PREC) “não tem paralelo”, diz. “Embora se possa comparar com o maio de 68, mas este foi durante um período muito mais curto e teve muito menos tomada e mudança de estruturas de poder do que em Portugal”.

Peter visitou Portugal como “turista revolucionário”, com um grupo de ativistas: “Nós não viemos pelo sol ou pelo fado. Viemos para ver o que as pessoas estavam a fazer”. Durante duas semanas, visitou fábricas, herdades e hotéis tomados por trabalhadores, assembleias populares e cooperativas formadas no pós-25 de abril, e juntou-se a reuniões de ativistas de esquerda. Em outubro do mesmo ano, voltou novamente a Portugal, onde ficou a trabalhar como ativista a tempo inteiro. A 25 de novembro de 1975, faz hoje 43 anos, escreveu uma carta para casa onde disse: “isto é o fim da revolução”.

Para alguns, como se lê, por exemplo, no voto de saudação aprovado pela Assembleia Municipal de Lisboa, aprovado a semana passada, no 25 de novembro deu-se o “movimento que conteve a ala de radical do Movimento das Forças Armadas, apoiada pela extrema-esquerda”, que “determinou a natureza pluralista e democrática do regime político e constitucional português, na senda da consolidação do processo democrático iniciado pelo 25 de Abril.”. Para outros, foi o fim da utopia socialista, onde seria o povo a tomar o poder.

Afinal, o que aconteceu a 25 de novembro de 1975? Como foi o Verão Quente desse ano? Quando acabou a revolução?

Esta entrevista, foi feita em conjunto com Joana Craveiro, arquivista, atriz, encenadora, dramaturga e diretora artística do Teatro do Vestido, que ajudou a produzir o episódio, em parceria com os BAGABAGA STUDIOS.

 

Fotografia: Ricardo Lopes (BAGABAGA STUDIOS)

 

Acreditamos que o papel do jornalismo é escrutinar a democracia: questionar as decisões tomadas, responsabilizar os representantes. Falar dos temas de que poucos falam, ouvir quem tem menos voz, contas as histórias que não são contadas. Se acreditas no mesmo e queres continuar a ouvir as nossas entrevistas, reportagens e séries documentais podes contribuir aqui.