Fala connosco — [email protected]
Calçada do Tijolo 23, 1200-464 Lisboa

Jornalismo independente, progressista e dissidente

25 de abril

As estórias que a História não conta

25 Abril 2017
09:19

“Foi bonita a festa, pá” é o que diz Chico Buarque, poeta e cantor brasileiro, e o que diz também o povo português sobre o 25 de Abril. Uma festa com cravos e sem escravos, e sem combates, e sem mortes e sem tiros de espingarda, mas com flores dentro dos canos. Uma festa em que o povo saiu à rua depois da “Grândola Vila Morena” e do “E Depois do Adeus” e seguindo os militares que iam ao Terreiro do Paço desde Santarém.

Esta é a história oficial, aquela que é contada pelos livros e a que contam os professores e as professoras aos seus alunos enquanto elaboram sobre a coragem dos capitães de Abril a tomar a liberdade contra o regime.

A importância do 25 de Abril para Portugal é inegável e muito há que celebrar quem o cumpriu. Mas teria havido 25 de Abril sem as lutas de libertação nacional? O que é feito dos não-heróis? Daqueles que não vão hoje apertar a mão ao Presidente da República durante as comemorações? O que foi feito dos que, tendo nascido nas ex-colónias, deixaram de ser portugueses de um momento para o outro?

Hoje lançamos um episódio especial em coprodução com a Divergente – “uma publicação que conta estórias que exploram silêncios” – sobre um outro lado do 25 de Abril. “25 de Abril: As estórias que a História não conta” é um debate em que nos sentamos à mesa com Abdulai Djaló, comando africano das Forças Armadas portuguesas na Guiné-Bissau, Joana Craveiro, diretora artística do Teatro do Vestido, Joana Lopes, ativista antifascista, e Miguel Cardina, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

Conversámos sobre os movimentos sociais antes e depois do 25 de Abril e sobre o que foi realmente o Período Revolucionário em Curso (PREC), que hoje parece ser coletivamente lembrado como “o período dos excessos da extrema esquerda”. A Joana Lopes diz-nos que durante o PREC se achava que Portugal seria um país socialista a sério. Mas o que foi vivê-lo?

Passados 43 anos do 25 de Abril e estando as pessoas que o viveram a desaparecer, falámos sobre importância da memória e de como a História é narrada para perceber o que se passa nos dias de hoje.

Moderação
  1. Ricardo Esteves Ribeiro
  2. Sofia da Palma Rodrigues
Preparação
  1. Ricardo Esteves Ribeiro
  2. Sofia da Palma Rodrigues
  3. Maria Almeida
Som
  1. Bernardo Afonso
Texto
  1. Ricardo Esteves Ribeiro
Vídeo
  1. Ricardo Venâncio Lopes
  2. Diogo Cardoso
  3. Bernardo Afonso
/ / /

pergunta, sugere, denuncia, contribui

Jornalismo com tempo e profundidade faz-se com a tua participação e apoio.

Contribuir

subscreve a nossa newsletter

para poderes votar nos tópicos que vamos investigar, workshops que queremos fazer e teres uma voz activa.

O nosso jornalismo é aberto a toda a gente, mas custa dinheiro. Ajuda-nos a continuar.