Fala connosco — [email protected]
Calçada do Tijolo 23, 1200-464 Lisboa

Jornalismo independente, progressista e dissidente

Habitação

Desalojados do Bairro 6 de Maio ocupam Ministério do Ambiente

9 Abril 2018
21:04

Cerca de três dezenas de pessoas ocuparam hoje, 9 de Abril, o Ministério do Ambiente, exigindo uma reunião com a secretaria de Estado da habitação. Entre elas, encontravam-se várias pessoas moradoras do Bairro 6 de Maio na Amadora, que sofreu mais uma série de demolições na passada terça-feira ao abrigo do Programa Especial de Realojamento, deixando pelos menos duas pessoas sem casa.

O Programa Especial de Realojamento, iniciado em 1993, tinha como objetivo erradicar bairros de barracas da zona de Lisboa e Porto, e tem vindo a demolir casas e despejar centenas de famílias em bairros como o 6 de Maio nos últimos anos.

Esta é já a segunda ocupação do Ministério do Ambiente no espaço de uma semana, depois de, sem efeito, terem feito o mesmo no dia das últimas demolições. Hoje, três pessoas foram finalmente recebidas: Amália, moradora do Bairro 6 de Maio e duas pessoas da plataforma Stop Despejos, uma rede de coletivos que têm dado apoio às famílias na luta pelo seu direito à habitação, como o GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental, o coletivo Habita e a Rede Solidariedade. Logo após a reunião, conversámos com a Rita Silva, que faz parte do Habita, e com quem já conversámos no ano passado.

Nota: onde se lia “(…) duas pessoas do Habita, uma associação que tem dado apoio às famílias na luta pelo seu direito à habitação.”, lê-se agora “e duas pessoas da plataforma Stop Despejos, uma rede de coletivos que têm dado apoio às famílias na luta pelo seu direito à habitação, como o GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental, o coletivo Habita e a Rede Solidariedade“.

Reportagem
  1. Ricardo Esteves Ribeiro
Som
  1. Bernardo Afonso
Texto
  1. Ricardo Esteves Ribeiro

pergunta, sugere, denuncia, contribui

Jornalismo com tempo e profundidade faz-se com a tua participação e apoio.

Contribuir

subscreve a nossa newsletter

para poderes votar nos tópicos que vamos investigar, workshops que queremos fazer e teres uma voz activa.

O nosso jornalismo é aberto a toda a gente, mas custa dinheiro. Ajuda-nos a continuar.