Jornalismo independente
progressista e dissidente

entrevista > passos perdidos

comunicado

Passos Perdidos chega ao fim

O nosso último episódio do programa Passos Perdidos, em parceria com o portal Hemiciclo, foi mesmo o último. Vamos explicar porquê.

Cada entrevista era preparada entre os jornalistas da equipa Fumaça e os membros do Hemiciclo: o David Crisóstomo e o Luís Vargas. Fazíamos isso não só pelo conhecimento que ambos têm da máquina Parlamentar, como pelo trabalho de escrutínio e transparência da atividade da Assembleia da República que têm feito e se materializou no lançamento do portal Hemiciclo.

Sempre que queríamos perceber como o processo legislativo decorria; como tinham votado deputadas ou deputados em determinada matéria; que tipo de incoerências existiam entre a retórica e a prática política de quem nos representa, era a eles que recorríamos.

Esta situação alterou-se. O David informou-nos de que tinha sido convidado para trabalhar no gabinete da Secretária de Estado Adjunta do Primeiro-Ministro, Mariana Vieira da Silva e, legitimamente, aceitou.

Mas isso altera a independência necessária para fazermos esse trabalho e, em conjunto, considerámos que passava a haver um conflito de interesses evidente. Seria impossível continuar a preparar entrevistas a deputadas e deputados com alguém que trabalha diretamente para o Governo. Para além disso, o Luís ficou também com menos tempo disponível para colaborar na parceria, por causa de vários compromissos profissionais.

Desta forma, decidimos com o Hemiciclo, que o último episódio, em que entrevistámos a deputada Vânia Dias da Silva, do CDS-PP, sobre lóbi e conflito de interesses, foi o último Passos Perdidos. Foi gravado a 1 de outubro, antes de existir qualquer impedimento, e publicado a 23 desse mês.

Iremos continuar a escrutinar representantes políticos e a questionar as suas decisões com entrevistas e reportagens a lançar nos outros programas que temos.

Acreditamos que o papel do jornalismo é escrutinar a democracia: questionar as decisões tomadas, responsabilizar os representantes. Falar dos temas de que poucos falam, ouvir quem tem menos voz, contar as histórias que não são contadas. Se queres continuar a ouvir as nossas entrevistas, reportagens e séries documentais, podes contribuir aqui.