Menu
Jornalismo independente
progressista e dissidente

2 Novembro, 2018

atualidade

Comunicado

Jornalista Fumaça vence bolsa de investigação jornalística da Fundação Gulbenkian

Pedro Miguel Santos, jornalista no Fumaça, é um dos dez vencedores da primeira edição das Bolsas de Investigação Jornalística, instituídas pela Fundação Calouste Gulbenkian (FCG), em junho passado. Das 75 candidaturas analisadas, foram ainda selecionados os projetos de investigação de Ana Suspiro, António Marujo, Catarina Gomes, Marina Pimentel, Miguel Carvalho, Paulo Barriga, Paulo Pena, Tiago Carrasco e Vanessa Rato.

Segundo anunciou a FCG, em comunicado, “a criação destas bolsas, destinadas apenas a jornalistas (e não a órgãos de comunicação social), tinha como objetivo a promoção da independência na investigação jornalística como contributo para uma sociedade mais informada e, desta forma, mais democrática”. Contudo, para poder concorrer, cada jornalista tinha de ter o apoio de um órgão de comunicação social, onde publicará o trabalho.

Faziam parte do júri, formado por jornalistas, António Granado (professor universitário, ex-editor no Público e na RTP), Cândida Pinto (editora de Internacional na SIC), João Garcia (ex-diretor-adjunto no Expresso e ex-diretor na VISÃO), José Pedro Castanheira (grande repórter no Expresso) e Maria Flor Pedroso (ex-editora de política da Antena 1 e atual diretora de informação da RTP).

O concurso esteve aberto de 4 de junho a 31 de agosto e podiam candidatar-se “jornalistas profissionais com carteira profissional portuguesa válida” que apresentassem temas ligados a “questões políticas, económicas, sociais, culturais ou históricas diretamente relacionadas com Portugal e os portugueses”, como se pode ler no regulamento. O montante global atribuído este ano foi de 150 mil euros, distribuído entre as dez propostas selecionadas.