Jornalismo independente
progressista e dissidente

comunicados

Contratações

Equipa Fumaça cresce

O processo de recrutamento que iniciámos no início do ano está completo.

É primavera e a nossa equipa está a florir. O projeto que queremos implementar precisa de gente talentosa, crítica, perspicaz e, hoje, somos mais e estamos prontos para fazer melhor.

Esta semana juntou-se a nós a Margarida David Cardoso, que é jornalista e vai trabalhar a tempo inteiro. É da Lixa, no concelho de Felgueiras, e estudou Ciências da Comunicação, no Porto. Foi editora de cultura e, depois, codiretora do Jornal Universitário de Porto até entrar no Público, para fazer um estágio. Esteve dois anos e meio neste diário de referência português, primeiro na secção Local, depois na Sociedade. Nesse período, com a reportagem “A Noite do Fim do Mundo”, sobre as cheias de 1967 que assolaram Lisboa e mataram centenas de pessoas, publicada no P2, ganhou o Prémio Gazeta Revelação 2017, o maior importante galardão português de jornalismo para jovens repórteres. Agora junta-se ao Fumaça, porque acredita que “só com tempo se encontram outras vozes, se reduz a inevitabilidade de cometermos erros, se aprende a olhar para onde ninguém parece estar a olhar”.

Queremos chegar a mais pessoas, comunicar melhor o que fazemos. A Joana Batista, que se junta à equipa a tempo parcial, vem para tratar do Design e Multimédia. Nasceu em Chaves, viveu e cresceu numa vila espanhola, em León, e agora mora nos subúrbios de Lisboa. É licenciada em Audiovisual e Multimédia pela Escola Superior de Comunicação Social do Politécnico de Lisboa e é através do seu olhar, materializado nas fotografias, vídeos e design, que vai enriquecer as histórias sonoras que contamos. Além disso, adora “praticar o rock” e é uma baterista de mão-cheia na banda Galgo.

O Mohamed Tafech também já está na equipa. Cresceu no Líbano, em Beirute, e aos 20 anos começou a viajar e a trabalhar como engenheiro. Já passou por várias empresas de tecnologia e juntou-se à equipa, igualmente a tempo parcial, para ficar responsável pela angariação de fundos e marketing. Temos a crença de que é possível fazer jornalismo apoiado por quem nos ouve, vê e lê. A função do Mo é garantir que seguimos neste caminho.

Defendemos a transparência de todo o processo que envolve a prática jornalística e, por isso, acreditamos que é importante apresentar de forma clara quem o faz, quem o financia e como são utilizados os fundos que tornam possível o nosso trabalho.

Fazem ainda parte da equipa Fumaça: Ana Freitas, Bernardo Afonso, Frederico Raposo, Maria Almeida, Pedro Miguel Santos, Ricardo Esteves Ribeiro, Sofia Rocha, Tomás Pereira e Tomás Pinho.

Até já

pergunta, sugere, denuncia, contribui

Jornalismo com tempo e profundidade faz-se com a tua participação e apoio.

Contribuir
O nosso jornalismo é aberto a toda a gente, mas custa dinheiro. Ajuda-nos a continuar.