Fala connosco — [email protected]
Calçada do Tijolo 23, 1200-464 Lisboa

Jornalismo independente, progressista e dissidente

Floresta

entrevista > é apenas fumaça

Legislativas 2019

Miguel Jerónimo: “As áreas protegidas existem, sobretudo, no papel”

As áreas protegidas impediram um “certo terrorismo ambiental”. Sem elas, provavelmente, hoje já não existiria uma Ria Formosa e a Costa Alentejana seria “um novo Algarve”, diz o arquiteto paisagista Miguel Jerónimo, membro da direção da associação ambientalista GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente. Mas o modelo é, sobretudo, proibitivo. “Os únicos recursos que as áreas protegidas têm é, eventualmente, passar multas; tornam mais difícil, para um investidor, usar certas práticas insustentáveis. Mas elas continuam a acontecer.” Uma entrevista sobre a reforma da floresta aprovada na atual legislatura, conservação da natureza e gestão das áreas protegidas.

17 Setembro 2019

entrevista > é apenas fumaça

Floresta

Pedro Bingre do Amaral: “Quem planta eucalipto deve assumir os encargos da prevenção e combate a incêndios.”

Portugal é o país com maior área relativa de eucaliptal no mundo. Só 2% da floresta portuguesa é propriedade exclusiva do Estado e não se sabe quem é dono de 1/3 dela. Mas o que tem isso que ver com os incêndios? Pedro Bingre do Amaral, professor no Instituto Politécnico de Coimbra, fala sobre isso.

1 Maio 2018

entrevista > é apenas fumaça

Governos 2005-2011

José Sócrates: “O caso Freeport foi planeado e concebido no gabinete de Santana Lopes”

José Sócrates, em entrevista ao Fumaça sobre os seus anos de governação. Da reforma da floresta ao Plano Nacional de Barragens, da avaliação dos professores, ao Caso Freeport e à austeridade. Vê aqui.

14 Fevereiro 2018

entrevista > é apenas fumaça

Incêndios florestais

José Miguel Pereira: “O que a proteção civil faz é colar-se ao casario e deixar o fogo vir, vir, vir, a queimar floresta”

Conversámos com José Miguel Pereira, engenheiro florestal e investigador, sobre as estratégias de proteção civil, a desvalorização da prevenção, a complexidade de lidar com um território maioritariamente privado e fragmentado, as lógicas nos processos de reflorestação, mas sobretudo, o que não tem sido feito para proteger as florestas e a paisagem rural em Portugal.

21 Outubro 2016
Este é o único anúncio que vais ver neste website. Apoia o jornalismo independente.