Refugiados

Juan Branco: “O objetivo é enviar políticos que jogaram com a vida de pessoas vulneráveis para a prisão”

Podes ouvir e ver aqui a segunda parte desta entrevista.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas, mais de 18 mil pessoas morreram afogadas ao tentar atravessar o Mar Mediterrâneo a partir do norte de África até ao sul da Europa, desde 2014. Tantas outras morreram ainda nos seus países de origem ou em campos de tortura na Líbia. Juan Branco e Omer Shatz, advogados, acreditam que essas mortes de refugiados foram causadas “conscientemente” por decisores da União Europeia “com o objetivo de impedir a travessia humanitária do Mediterrâneo”. 

No passado dia 3 de junho, submeteram uma ação legal no Tribunal Penal Internacional, acusando líderes políticos europeus  e de Estados membros de crimes contra a humanidade, pelo seu envolvimento nesta catástrofe. 

Conversámos com Juan Branco, um dos responsáveis pela petição. É advogado de direito penal internacional, doutorado em Direito Internacional pela Escola Normal Superior de Paris e faz ainda parte da equipa de defesa de Julian Assange e da Wikileaks.

Subscreve a newsletter

Lê textos exclusivos escritos por nós ou pessoas convidadas. Guarda as nossas recomendações de reportagens, podcasts, filmes e documentários.

Subscreve e recebe a nossa newsletter.

Ver exemplos